Notícias | Selmax

Innovate, Go Global, Go Digital: a propósito do Pokemon Go

pokemon goSe ainda não a encontrou no nosso website ou nas nossas assinaturas, não faz mal. Mas só desta vez.

Innovate, go global, go digital” é a assinatura da SELMAX no domínio dos negócios. Estas são cinco palavras, propositadamente em inglês, que têm a difícil tarefa de traduzir para todos aqueles a quem chegamos, a nossa visão e a forma como queremos realizar a nossa missão empresarial. Mas hoje poderiam ser perfeitamente usadas para descrever a forma como o Pokemon Go, a nova app de jogo da Niantic Labs (em cooperação com a Nintendo), entrou e se enlaçou nas vidas de milhões de pessoas em todo o mundo.

Esta app – ainda uma versão de teste! – já bateu os records mundiais em termos de numero de downloads diários, taxa de crescimento de novos utilizadores diários e retenção de utilizadores após a primeira utilização. E é claro, porque estamos a falar de uma app de jogo, de número de novos jogadores activos.

Tudo funciona de forma extremamente simples e intuitiva. A app apoia-se sobre serviços de geolocalização e referencias reais –  baseadas em Google Maps – para criar o ambiente onde o jogador tem de encontrar, caçar e treinar Pokemons, criaturas adoráveis mas dadas ao gosto pelo combate amigável. E é assim que hoje vemos nas principais cidades do mundo, milhões de caçadores, concentradíssimos em encontrar as criaturas, mas tão distraídos pelo facto que chocam contra postes de iluminação, atravessam ruas sem olhar e chegam mesmo a colocar a segurança real em risco para a conquista de um objectivo virtual.

Ao ritmo actual a aplicação terá tantos ou mais utilizadores activos como as principais redes sociais, o Facebook, o Twitter ou o Snapchat. No mundo inteiro. Mas se experiências anteriores no mesmo domínio e com o mesmo objectivo tinham tido rotundos fracassos, o que mudou?

Pela primeira vez uma app conseguiu mesclar de forma eficaz o mundo virtual e o mundo real. Cruzando referências. Operando globalmente, mas numa base local, centrando-se no jogador e no local onde ele está, nas referências que ele conhece. Envolvendo-o em sistemas de recompensa virtuais (como todos os jogos) mas também reais (dando-lhe objectivos sob a forma de locais a visitar ou distancias a percorrer). A gamification é uma palavra nova, mas o fenómeno sempre existiu. Sempre foi possível motivar as pessoas com jogos e recompensas. Sempre fomos jogadores, condição inerente ao ser humano relacional. O mundo digital aproveitou sempre essa característica e prosperou em torno dela. Mas, pela primeira vez e de forma muito mais eficaz que as redes sociais , um jogo tira-nos do sofá e do café e coloca-nos a correr atrás de bits e bytes.

O potencial de monetização é ridiculamente grande. Pela venda de produtos e serviços inapp. Pela forma como o mundo real quererá fazer publicidade no mundo virtual, agora que milhões de pessoas o percorrem e conhecem os caminhos, mesmo sem usarem um browser ou redes sociais. Espectáculos, restaurantes e cafés quererão reter objectos e criaturas  próximas de si de modo a atrais os “turistas virtuais”… que agora também são reais e por isso, consomem de forma tradicional. Mesmo que não seja esta a app da mudança, o Pokemon Go mostrou o caminho: global, digital e integrador do real com o virtual. E mesmo que tudo fique mais ou menos na mesma para já, nada vai ser como antes para os que já conheceram a experiência.

 

Innovate, go global, go digital.

Ou como uma igreja perto de si é agora um centro de treino de Pokemons, um café com esplanada um pokesite com potencial para a caça e o seu caminho para o supermercado, a sua nova pista de jogging, que mesmo que não leve a Oz, leva de certeza a um local onde, com sorte, um novo amigo encantador entrará no seu telemóvel.

 

Pronto para vender poções virtuais ou águas minerais reais aos pokejoggers cansados da viagem? Alguém estará.

 

 

Bons negócios.

 

 

INDUSTRIA 4.0: EVOLUIR É PRECISO

connectHá um novo modelo de economia em evolução desde há mais de 40 anos.

Reconhecemo-lo nos seus solavancos, de tempos a tempos, especialmente quando uma inovação radical impacta directamente na forma como produzimos ou consumimos individualmente ou em sociedade.

Tivemos uma revolução digital que mudou a nossa forma de interagimos com o mundo e com os nossos semelhantes. Tivemos a conectivização do mundo, com acesso a dados e imagem em qualquer lugar em qualquer momento. Tivemos a emergência do M2M, a comunicação entre máquinas, hoje estendida a outros objectos que eram, há bem pouco tempo, bem menos “inteligentes”. Esta evolução é clara e identificável. Fomos muito para além da mecânica, da electricidade e da electrónica.

 

Mas podemos já falar de uma nova revolução industrial?

Podemos já identificar um novo paradigma, um novo modelo de economia, de meios e relações de produção mais inteligentes, interconectáveis e interoperáveis?

 

Há um caminho a percorrer neste sentido, mas ainda não concretizámos a promessa da 4ª revolução industrial.

A evolução tecnológica ainda não foi integrada na industria e no consumo de modo a alterar o modelo dominante da 3ª revolução industrial. Ainda produzimos com foco na normalização e na produção em massa. Ainda somos basicamente consumidores 3.0, de produtos uniformes e na fronteira do “good enough”.

 

Mas percebemos que a economia evoluirá para o novo modelo:

  • Onde o consumo em massa é substituída por preferências indididuais mais claras;
  • Onde a industria tem de procurar eficiências nas economias de aprendizagem e de custo e não nas economias de escala;
  • Onde os produtos são realizados em pequenas séries costumizáveis e evoluem com a mudança rápida das preferências individuais.

 

Esperam-se mais consumidores, de mais produtos cada vez mais complexos, em cada vez mais regiões do mundo. Espera-se a necessidade de recolher e interpretar cada vez mais informação, recolhida a partir de um número crescente de objectos reais e virtuais. Espera-se um modelo de produção onde máquinas e humanos terão de interagir de forma mais inteligente, de forma a que os recursos disponíveis sejam usados de forma eficiente e com maior valor acrescentado.

 

A nova economia será o reflexo desta revolução, de consumo e indústria. Longe de ser um estado estável, um paradigma assente, a evolução em curso é um processo de aprendizagem e adaptação.

 

As empresas e os seus gestores devem perceber como evoluir neste processo e como participar no seu desenvolvimento. Ou enfrentarão as mesmas dificuldades que as empresas do passado conheceram quando a automação e a electrónica revolucionaram a forma de fazer negócios no sec.XX.

 

Evoluir é preciso. E ainda bem. Porque significa que ainda estamos, todos, a tempo.

 

Bons negócios!

 

 

 

NOVOS CONCURSOS PARA O FINANCIAMENTO DE PROJECTOS DE INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

compete2020Abriram os novos concursos do PT2020 para o financiamento e incentivos a projectos de inovação produtiva e empreendedorismo qualificado!
Até 3o de Setembro!

 

Aviso N.º 12/SI/2016

Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Inovação Produtiva”

 

Este concurso pretende apoiar investimentos no domínio da diferenciação, diversificação e inovação, na produção de bens e serviços transaccionáveis e internacionalizáveis, no quadro de fileiras produtivas e de cadeias de valor mais alargadas e geradoras de maior valor acrescentado.

 

Os projectos devem focar a:

  • A criação de um novo estabelecimento;
  • O aumento da capacidade de um estabelecimento já existente;
  • A diversificação da produção de um estabelecimento para produtos não produzidos anteriormente no estabelecimento;
  • A alteração fundamental do processo global de produção de um estabelecimento existente.

Os apoios terão a forma de incentivo reembolsável até 75% do valor da despesa elegível. Se os objectivos do projecto forem cumpridos, até 50% do apoio pode ser transformado em apoio a fundo perdido.

 

 

Aviso N.º 13/SI/2016

Aberto Aviso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos | Empreendedorismo Qualificado e Criativo
Este concurso pretende reforçar os níveis de empreendedorismo qualificado e criativo (incluindo empreendedorismo de base tecnológica), através de apoios directos aos empreendedores, favorecendo a emergência de novas oportunidades de negócio, nomeadamente em domínios criativos e inovadores e o nascimento de mais empresas em sectores de alta e média-alta tecnologia.

 

São susceptíveis de apoio os projectos de criação de empresas que desenvolvam actividades em sectores com fortes dinâmicas de crescimento, incluindo as integradas em indústrias criativas e culturais, e ou sectores com maior intensidade de tecnologia e conhecimento e criação de empresas que valorizem a aplicação de resultados de I&D na produção de novos bens e serviços.

 

Podem candidatar-se PME novas ou criadas há menos de 2 anos. Os apoios terão a forma de incentivo reembolsável até 75% do valor da despesa elegível. Se os objectivos do projecto forem cumpridos, até 50% do apoio pode ser transformado em apoio a fundo perdido.

 

Quer saber mais? Contacte-nos.

Bons negócios!

FINANCIAMENTO A PME MADURAS ATRAVÉS DE INSTRUMENTOS DE CAPITAL REVERSÍVEL

 

ifdEstá aberto o concurso para a selecção e financiamento de intermediários financeiros, no contexto de operações de capital reversível com PME maduras com potencial de crescimento.

 

A presente linha enquadra-se no Programa Capitalizar e a linha manter-se-á aberta até esgotar a dotação orçamental disponível (inicialmente serão cerca de 20 milhões de Euros).

 

 

Como funciona?

 

Instituições financeiras, fundos de capital de risco ou business angels podem apresentar candidaturas.

Cada projecto deve ter por alvo o investimento numa PME madura, mas com potencial de mercado.

 

  • O apoio do Programa Capitalizar pode chegar a 750 000 Euros por operação.
  • As candidaturas serão analisadas numa lógica first come, first served.
  • As operações de capitalização podem ser transformadas, no decorrer do projecto, em instrumentos de dívida sob a forma de operações de financiamento de médio e longo prazo em que a PME se compromete, por essa via, à compra da posição.

 

Pretende-se melhorar a qualidade dos balanços e a autonomia financeira de empresas PME maduras, que operem em mercados sustentáveis e que apresentem potencial de crescimento, mas que enfrentem dificuldades de natureza financeira para consolidarem ou expandirem a sua posição no mercado.

 

 

 

Quer saber mais? Visite o link abaixo ou contacte-nos…. e bons negócios

 

Linha de Financiamento a Operações de Capital Reversível

 

 

 

INDUSTRIA 4.0: FINANCIAMENTO A START-UP E SPIN-OFFS EMPRESARIAIS

 

Até 18 de Agosto de 2016, estão abertas as candidaturas ao programa da Portugal Ventures destinado ao apoio a novas iniciativas empresariais de Industria 4.0

A Call Indústria 4.0 é um novo programa de investimento da Portugal Ventures dirigido a empreendedores e empresas com o objetivo de promover a criação de start-ups e spin-offs empresariais e universitárias no âmbito do conceito de Indústria 4.0, contribuindo para acelerar o desenvolvimento e modernização da indústria nacional, tornando-a mais produtiva e rica, eficiente, flexível, e globalmente competitivas.

 

Serão elegíveis para investimento projectos nas áreas de:

  • Novos desenvolvimentos orientados para a virtualização, integração e optimização de cadeias de valor globais, horizontais e verticais, nomeadamente com a integração, a montante e a jusante, de consumidores/clientes e fornecedores nos processos de concepção, desenvolvimento e produção;
  • Definição e gestão de novas cadeias de valor virtualmente integradas com níveis crescentes de especialização nos diversos layers que as constituem, incluindo as fases de gestão do fim de vida dos produtos;
  • Crescente digitalização dos processos de criação, produção e interconectividade de equipamentos, soluções e serviços através da utilização massificada dos conceitos, materiais e dispositivos, arquitecturas e aplicações de sistemas e software no espaço da internet das coisas e da incorporação de tecnologias de produção avançadas;
  • Novos modelos de negócio no espaço da economia do conhecimento que proporcionam um aumento significativo de valor para empresas e clientes, nomeadamente através de soluções customizadas.

 

Os projectos poderão ter apoio financeiro até 500 000 euros e beneficiarão ainda do acompanhamento e expertise da Portugal Ventures nas suas fases de lançamento, incubação e crescimento.
Para saber mais siga o link abaixo ou contacte-nos:
http://www.portugalventures.pt/pt-pt/page/industria-40
Bons negócios!

FINANCIAMENTO A PROJECTOS INOVADORES DE TURISMO

pvEstá aberto, até 31 de Julho, a janela de candidaturas da Portugal Ventures para o financiamento até 500 000 Euros de projectos de turismo que valorizem o património nacional.

Esta iniciativa pretende contribuir para o desenvolvimento de actividades turísticas associadas à valorização do património cultural e natural do País e dinamizar a criação de projectos que visem a fruição turística do património cultural e natural do País, podendo, ou não, ser de base tecnológica.

 

As candidaturas podem ser submetidas a partir de 31 de Julho de 2016.

 

Para mais informação consulte o link abaixo ou contacte-nos!

http://www.portugalventures.pt/pt-pt/page/patrimonio-turismo

 

Bons negócios!

PT2020: PROJECTOS DE MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ATRAVÉS DAS TICE

logo

O COMPETE tem aberto, até 31 de Julho de 2016, o concurso para a apresentação de projectos de modernização da administração pública, com foco nas TICE.

 

 

As candidaturas podem ser submetidas até 30 de Junho de 2016!

Os projectos devem focar-se na optimização de infra-estruturas já existentes, fomentando o acesso das populações e empresas aos actuais activos e melhorando o seu funcionamento, de modo a garantir uma melhor qualidade do serviço e a sua sustentabilidade.

 

São elegíveis projectos focados na:

  • Melhoria do acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e a sua utilização e qualidade, através do reforço das aplicações TIC na Administração Pública em linha;
  • Reforço da capacidade institucional das administrações públicas e respectiva eficiência.

 

 

Podem candidatar-se as as entidades da administração central do Estado, as entidades públicas empresariais prestadoras de serviços públicos e outros níveis da administração ou outras entidades públicas e privadas, no âmbito das suas actividades sem fins lucrativos, ao abrigo de protocolos celebrados com a administração central.

 

Os projectos podem ser financiados até 85% do total das despesas elegíveis, a fundo perdido.

 

 

Pode consultar o texto completo do aviso de concurso no link abaixo:

http://www.poci-compete2020.pt/concursos/detalhe/Aviso_02_SAMA2020_2016

 

 

Bom trabalho e bons negócios!

PREPARE-SE PARA O 16º CALL FOR ENTREPRENEURSHIP DA PORTUGAL VENTURES

pvAbre a 1 de Agosto de 2016, o 16ª Call For Entrepreneurship da Portugal Ventures.

Esta iniciativa visa possibilitar o acesso a investimento de capital de risco por parte de projectos de base científica e tecnológica nas fases de “pre-seed”, “seed” e “start-up”.

 

 

 

Serão elegíveis para investimento projectos nas áreas de:

  • TICE & WEB (Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica, Tecnologias e conceitos para social web).
  • Ciências da Vida (Biotecnologia, novas tecnologias, produtos e serviços para assistência médica, equipamentos e dispositivos médicos).
  • Recursos Endógenos (Energia, Agroalimentar, Floresta e Mar), Nanotecnologia e Materiais.
  • Inovação Tecnológica para o Turismo (serviços inovadores e produtos complementares à oferta tradicional do turismo nacional).

As candidaturas podem ser submetidas a partir de 1 de Agosto de 2016.

 

Sobre o programa

A Call For Entrepreneurship é o ponto de entrada do Programa de Ignição da Portugal Ventures e visa possibilitar o acesso a investimento de Capital de Risco por parte de projetos inovadores de base científica e tecnológica nas fases nascentes

O investimento da Portugal Ventures, através dos Fundos de Capital de Risco (FCR) por si geridos, poderá ascender a um valor de 750 mil euros, com um montante médio indicativo de 300 mil euros por projecto. O valor deste financiamento representará até 85% das necessidades de financiamento totais de cada projecto, sendo realizado ao longo de 2 anos de acordo com as metas definidas previamente. Será concedida aos promotores a maioria do capital social da empresa, aceitando-se a sindicação do investimento com outros investidores.
A Portugal Ventures espera investir até cerca de 20 milhões de Euros no âmbito deste Programa.
Bons negócios!

Selmax e Certificação Google AdWords

campanhaadwords

A equipa Selmax é certificada pela Google em AdWords: conceitos publicitários avançados, incluindo a configuração, gestão e optimização de campanhas.

Por isso, quando pensar em investir em publicidade online para a sua empresa, contacte-nos: e saiba como podemos ajudar a sua marca a destacar-se no intrincado mundo da web.

Porque o nosso objectivo é o seu próximo cliente.

PT2020: CANDIDATURAS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO NO DOMÍNIO DAS ETA E ETAR

po seur

O PO SEUR (sustentabilidade e uso eficiente dos recursos) abriu recentemente um concurso para o financiamento a projectos de investimento na optimização da capacidade das ETA e ETAR.

As candidaturas podem ser submetidas até 30 de Junho de 2016!

 

Os projectos devem focar-se na optimização de infra-estruturas já existentes, fomentando o acesso das populações e empresas aos actuais activos e melhorando o seu funcionamento, de modo a garantir uma melhor qualidade do serviço e a sua sustentabilidade.

 

São elegíveis projectos focados no:

  • Abastecimento de água, nomeadamente no fecho de sistemas de abastecimento de água em baixa, com vista a optimização da utilização da capacidade instalada (novas ligações ou adesão ao serviço de populações não abrangidas);
  • Saneamento de Águas Residuais, nomeadamente investimentos com vista à redução da poluição urbana nas massas de água ou com vista ao fecho de sistemas de saneamento de águas residuais com vista à optimização da utilização da capacidade instalada e da adesão ao serviço.

 

Podem candidatar-se as autarquias e suas associações, o Sector Empresarial do Estado, o Sector Empresarial Local e as Empresas concessionárias municipais, intermunicipais ou multimunicipais.

 

Os projectos podem ser financiados até 85% do total das despesas elegíveis.

 

Pode consultar o texto completo do aviso de concurso no link abaixo:

https://poseur.portugal2020.pt/media/38744/avisos_poseur-12-2016-38__f160331133035_5%C3%A2%C2%BAaviso-cua_poseur-12-2016-38.pdf

 

Bom trabalho e bons negócios!

 

Peça uma cotação