Estou preparado para a Internacionalização?

A economia portuguesa é pequena… mas aberta. Enquanto membro da EU, faz parte do maior mercado mundial de consumo. Mas mesmo ao nível histórico, social e cultural, Portugal foi sempre país caracterizado pela sua abertura ao comércio internacional e aos fluxos de investimento de e para o estrangeiro. A história recente é de aumento desta abertura. Pela integração no mercado único e pela extroversão das empresas nacionais por via das exportações e do investimento em novas geografias.

As exportações ganharam particular relevância para as PME. Mais de 19 000 empresas nacionais já exportaram, pelo menos uma vez, prioritaramente para o mercado comunitário. O peso das exportações no volume de negócios aumentou em todos os sectores, com especial destaque para as indústrias extractivas e transformadoras, onde as vendas para o estrangeiro passaram a representar quase metade do negócio. E muitas delas compensaram com exportações, as quebra de facturação no mercado interno.

As margens (EBITDA e líquida) das empresas exportadoras apresentam uma situação mais favorável que as das não exportadoras. A situação financeira do sector exportador compara favoravelmente com a das restantes empresas: maior autonomia financeira (36% vs. 28%), menor parcela de empresas com capitais próprios negativos (13% vs. 30%) e menor pressão financeira (20% vs. 36%).

Os número mostram que a opção de internacionalização permitiu a estas empresas serem melhor sucedidas no mercado.

Mas os números mostram também que o sector empresarial nacional ainda não assumiu totalmente a vocação de abertura e extroversão históricas da economia nacional. Apenas 12% das novas empresas nascem como exportadoras. E apenas 4% das microempresas são exportadoras.

Mesmo em termpos de crise no mercado interno, quando a opção de internacionalização parece óbvia… é um passo dificil de concretizar. Ou mesmo de planear.

A realidade é que as novas empresas, especialmente as novas MPME, carecem de recursos humanos, técnicos e de financiamento que lhes permitam alavancar a sua presença no mercado externo. E mesmo as MPME já existentes carecem de uma dimensão crítica para terem a exportação ou a presença directa em outros mercados como uma opção viável.

O que nos leva à pergunta do titulo: a sua empresa está preparada para a internacionalização?

  • Tem um portefólio de produtos e serviços transaccionáveis, internacionalizáveis e capazes de representar uma proposta de valor sólida em outros mercados? E quais os mercados prioritários?
  • Tem canais de distribuição eficazes para o seu produto e serviços em geografias seleccionadas? Tem acesso a bases de dados de prospecção, recursos comerciais e de marketing, serviços de logistica e transporte e meios de pagamento e recebimento adequados à sua actividade?
  • Tem recursos humanos capazes de conduzir e gerir o processo de internacionalização e a relação com clientes e fornecedores em novos mercados geográficos? E em quais?

Estas e outras perguntas carecem de resposta antes da tomada de decisão de internacionalização. Por este motivo criámos um modelo de diagnóstico à PREPARAÇÃO PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. Esta ferramenta permite avaliar o grau de preparação das empresas e empresários que têm o tema da expansão para novas geografias na sua agenda. E faz o diagnóstico por várias áreas críticas, baseada na experiência da SELMAX no acompanhamento dos processos de exportação e internacionalização de empresas nacionais para geografias em 4 continentes e em sectores que vão do agro-alimentar às tecnologias de informação.

Bom trabalho, bons negócios … e boas decisões.

Comments ( 0 )

    Leave A Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    Peça uma cotação