Category: Sales Consulting

PDR2020 – Novas oportunidades de financiamento

Abre este mês de Novembro a linha de financiamento a projectos de investimento agro-industrial do PDR2020, o principal programa nacional de fomento da inovação e expansão do sector em Portugal.

A INOVAe, parceiro da Selmax nas áreas da Inovação e do Financiamento, apoia o desenvolvimento de projectos, de forma consistente com a sua estratégia de crescimento: apoia o desenho de soluções inovadoras ao nível da produção, logística e distribuição dos produtos da sua empresa, assim como a definição e planeamento da abordagem a novas segmentos de mercado nacionais e internacionais.

Para saber mais sobre este tipo de oportunidades visite a página da Inovae . Aconselhamos também a subscrição da newsletter para estar sempre a par das últimas oportunidades de investimento para a sua empresa.

Estou preparado para a Internacionalização?

A economia portuguesa é pequena… mas aberta. Enquanto membro da EU, faz parte do maior mercado mundial de consumo. Mas mesmo ao nível histórico, social e cultural, Portugal foi sempre país caracterizado pela sua abertura ao comércio internacional e aos fluxos de investimento de e para o estrangeiro. A história recente é de aumento desta abertura. Pela integração no mercado único e pela extroversão das empresas nacionais por via das exportações e do investimento em novas geografias.

As exportações ganharam particular relevância para as PME. Mais de 19 000 empresas nacionais já exportaram, pelo menos uma vez, prioritaramente para o mercado comunitário. O peso das exportações no volume de negócios aumentou em todos os sectores, com especial destaque para as indústrias extractivas e transformadoras, onde as vendas para o estrangeiro passaram a representar quase metade do negócio. E muitas delas compensaram com exportações, as quebra de facturação no mercado interno.

As margens (EBITDA e líquida) das empresas exportadoras apresentam uma situação mais favorável que as das não exportadoras. A situação financeira do sector exportador compara favoravelmente com a das restantes empresas: maior autonomia financeira (36% vs. 28%), menor parcela de empresas com capitais próprios negativos (13% vs. 30%) e menor pressão financeira (20% vs. 36%).

Os número mostram que a opção de internacionalização permitiu a estas empresas serem melhor sucedidas no mercado.

Mas os números mostram também que o sector empresarial nacional ainda não assumiu totalmente a vocação de abertura e extroversão históricas da economia nacional. Apenas 12% das novas empresas nascem como exportadoras. E apenas 4% das microempresas são exportadoras.

Mesmo em termpos de crise no mercado interno, quando a opção de internacionalização parece óbvia… é um passo dificil de concretizar. Ou mesmo de planear.

A realidade é que as novas empresas, especialmente as novas MPME, carecem de recursos humanos, técnicos e de financiamento que lhes permitam alavancar a sua presença no mercado externo. E mesmo as MPME já existentes carecem de uma dimensão crítica para terem a exportação ou a presença directa em outros mercados como uma opção viável.

O que nos leva à pergunta do titulo: a sua empresa está preparada para a internacionalização?

  • Tem um portefólio de produtos e serviços transaccionáveis, internacionalizáveis e capazes de representar uma proposta de valor sólida em outros mercados? E quais os mercados prioritários?
  • Tem canais de distribuição eficazes para o seu produto e serviços em geografias seleccionadas? Tem acesso a bases de dados de prospecção, recursos comerciais e de marketing, serviços de logistica e transporte e meios de pagamento e recebimento adequados à sua actividade?
  • Tem recursos humanos capazes de conduzir e gerir o processo de internacionalização e a relação com clientes e fornecedores em novos mercados geográficos? E em quais?

Estas e outras perguntas carecem de resposta antes da tomada de decisão de internacionalização. Por este motivo criámos um modelo de diagnóstico à PREPARAÇÃO PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. Esta ferramenta permite avaliar o grau de preparação das empresas e empresários que têm o tema da expansão para novas geografias na sua agenda. E faz o diagnóstico por várias áreas críticas, baseada na experiência da SELMAX no acompanhamento dos processos de exportação e internacionalização de empresas nacionais para geografias em 4 continentes e em sectores que vão do agro-alimentar às tecnologias de informação.

Bom trabalho, bons negócios … e boas decisões.

VALES INCUBAÇÃO | START UP VOUCHERS: O QUE SÃO?

stHá uma estratégia nacional de apoio ao empreendedorismo em curso. E começam a faltar razões para se queixar da falta de apoios ao seu projecto…

 

Estão aberturas as candidaturas para o Vale de Incubação e para os Startup Voucher.

Estas duas medidas integram o Startup Portugal, a estratégia nacional para o empreendedorismo, anunciada no passado mês de Março.

 

Como funcionam?

 

Os Vales de Incubação querem apoiar e promover a integração de empreendedores no ecossistema, através da contratação de serviços fornecidos por incubadoras de start-ups. Trata-se de um apoio de cinco mil euros por candidatura aprovada. O montante global destinado a esta medida são 10 milhões de euros. As start-ups que tenham acesso a este vale podem usá-lo em incubadoras certificadas pelo IAPMEI.

 

O Startup Voucher visa apoiar projectos empreendedores na fase da ideia.  Destina-se ao desenvolvimento de projectos empresariais que se encontrem em fase de ideia, promovidos por jovens com idade entre os 18 e os 35 anos, através de diversos instrumentos de apoio disponibilizados ao longo de um período de até 12 meses de preparação do projeto empresarial e apenas nas Norte, Centro e Alentejo.  O apoio consiste em:

  • Bolsa – É uma bolsa de quase 700 euros mensais (691,70 euros mensais), concedida durante um ano para que os empreendedores possam desenvolver o seu projecto.
  • Mentoria – acesso a uma rede de mentores que forneçam orientação aos promotores;
  • Assistência técnica – disponibilização de assistência técnica para o desenvolvimento do projecto empresarial;
  • Prémio de concretização – atribuição de um prémio à concretização do projecto empresarial e à constituição da empresa.

 

Os projectos podem ser apresentados até 30 de Dezembro de 2016.

 

Bons negócios!

#2106portugalmaior

 

INCENTIVOS A PROJECTOS CONJUNTOS DE PME: NOVOS CONCURSOS

compete2020Novos concursos para o apoio a projectos conjuntos nos domínio das modernização e internacionalização de PME!

 

Estão abertos, até 30 de Dezembro de 2016, os concursos para a apresentação de projectos que:

  • reforcem as capacidades de organização e gestão das PME, incluindo, o investimento em desenvolvimento das capacidades estratégicas e de gestão competitiva, redes modernas de distribuição e colocação de bens e serviços e a utilização de TIC:
  • reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, através da implementação de acções de promoção e marketing, da sua presença em certames internacionais e do conhecimento e acesso a novos mercados, incluindo a utilização de ferramentas web  e canais digitais. 

 

Quem se pode candidatar?

Os beneficiários dos apoios previstos são empresas PME. Mas os projectos devem ser promovidos por entidades sem fins lucrativos, de natureza associativa e com competências específicas dirigidas às PME, nomeadamente associações empresariais, câmaras de comércio e indústria, agências regionais de promoção turística, assim como outras entidades não empresariais do Sistema Nacional de I&I.

 

 

Os projectos podem ser apresentados até 30 de Dezembro de 2016.

A entidade promotora pode ver as suas despesas elegíveis financiadas até 85%. As PME participantes podem beneficiar de financiamento até 50%.

 

 

Quer saber mais? Conheça a forma como trabalhamos e como o podemos ajudar!

  • Se seguir os links abaixo pode saber mais sobre os concursos actualmente abertos.
  • Se nos contactar, teremos todo o gosto em ajudá-lo a compreender se e como pode beneficiar destes apoios.
  • E ainda produzimos para si o guia “APOIO A INTERNACIONALIZAÇÃO/QUALIFICAÇÃO: COMO FUNCIONA?”. Contacte-nos e enviamos gratuitamente para o seu endereço de correio electrónico.

 

 

 

Projectos na tipologia Qualificação de PME

http://www.poci-compete2020.pt/concursos/detalhe/AAC_22-SI-2016

 

Projectos na tipologia Internacionalização de PME

http://www.poci-compete2020.pt/concursos/detalhe/AAC_21-SI-2016

 

 

Bons negócios!

#2106portugalmaior

 

ABRIU O 17º CALL FOR ENTREPRENEURSHIP DA PORTUGAL VENTURES

pvAbriu rcentemente o 17ª Call For Entrepreneurship da Portugal Ventures.

Apoios até 750 000 euros para projectos de base científica e tecnológica nas fases de “pre-seed”, “seed” e “start-up”.

 

 

Serão elegíveis para investimento projectos nas áreas de:

  • TICE & WEB (Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica, Tecnologias e conceitos para social web).
  • Ciências da Vida (Biotecnologia, novas tecnologias, produtos e serviços para assistência médica, equipamentos e dispositivos médicos).
  • Recursos Endógenos (Energia, Agroalimentar, Floresta e Mar), Nanotecnologia e Materiais.
  • Inovação Tecnológica para o Turismo (serviços inovadores e produtos complementares à oferta tradicional do turismo nacional).

As candidaturas podem ser submetidas até 27 de Outubro de 2016.

 

Sobre o programa

A Call For Entrepreneurship é o ponto de entrada do Programa de Ignição da Portugal Ventures e visa possibilitar o acesso a investimento de Capital de Risco por parte de projetos inovadores de base científica e tecnológica nas fases nascentes

O investimento da Portugal Ventures, através dos Fundos de Capital de Risco (FCR) por si geridos, poderá ascender a um valor de 750 mil euros, com um montante médio indicativo de 300 mil euros por projecto. O valor deste financiamento representará até 85% das necessidades de financiamento totais de cada projecto, sendo realizado ao longo de 2 anos de acordo com as metas definidas previamente. Será concedida aos promotores a maioria do capital social da empresa, aceitando-se a sindicação do investimento com outros investidores.
Bons negócios!

INCENTIVOS À INTERNACIONALIZAÇÃO E MODERNIZAÇÃO: NOVOS CONCURSOS

compete2020Até 31 de Outubro de 2016.

Pretende investir no aumento da competitividade da sua empresa.

Ainda estão abertos os concursos para o financiamento de projecto em domínios como a internacionalização, a economia digital, o marketing internacional, a qualidade, a distribuição ou formação.

 

Quer saber mais? A SELMAX ajuda!

  • Se seguir os links abaixo pode saber mais sobre os concursos actualmente abertos.
  • Se nos contactar, teremos todo o gosto em ajudá-lo a compreender se e como pode beneficiar destes apoios.
  • E ainda produzimos para si o guia “APOIO A INTERNACIONALIZAÇÃO/QUALIFICAÇÃO: COMO FUNCIONA?”. Contacte-nos e enviamos gratuitamente para o seu endereço de correio electrónico.

 

Os projectos podem ser apresentados até 31 de Outubro de 2016 e a taxa de financiamento pode chegar até 45%, a fundo perdido.

 

Bons negócios!

#2106portugalmaior

 

 

Aviso 18/SI/2016

Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Qualificação das PME”

Tipos de projectos:

  • Inovação organizacional e gestão
  • Economia digital e tecnologias de informação e comunicação (TIC)
  • Criação de marcas e design
  • Desenvolvimento e engenharia de produtos, serviços e processos
  • Proteção de propriedade industrial
  • Qualidade
  • Transferência de conhecimento
  • Distribuição e logística
  • Eco-inovação
  • Formação profissional

 

 

Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Internacionalização das PME”

Tipos de projectos: 

  • O conhecimento de mercados externos;
  • A presença na web, através da economia digital;
  • O desenvolvimento e promoção internacional de marcas;
  • A prospeção e presença em mercados internacionais;
  • O marketing internacional;
  • A introdução de novo método de organização nas práticas comerciais ou nas relações externas;
  • As certificações específicas para os mercados externos.

 

 

 

Email Marketing: as 10 razões pelas quais vale a pena!

mail“ E-mail marketing é a utilização do e-mail como ferramenta de marketing direto, respeitando normas e procedimentos pré-definidos […]” fonte: Wikipedia

 

Logo após a sua generalização como canal de comunicação ainda no início dos anos 90, o email tornou-se uma das mais utilizadas ferramentas de marketing directo. Passadas duas décadas ainda é a forma mais eficaz de marketing directo, com uma taxa de conversão muito superior a outros canais concorrentes e mais em “moda” como as redes sociais, a publicidade nas redes sociais, a publicidade em motores de busca ou os anúncios na internet.

 

O que explica a longevidade do Email marketing como estratégia eficaz de marketing directo?

 

Fizemos o nosso trabalho de casa e analisámos alguns dos relatórios de referência para benchmarking que vão sendo produzidos regularmente. Quer o State of Inbound 2015, como o State of Email marketing e o 2015 Email Marketing Metrics Benchmark Study apontam algumas pistas.

 

 

Seleccionámos as 10 razões que nos parecem mais relevantes. E que pensamos serem mais do que suficientes para continuar a publicar a sua newsletter e não por o orçamento todo do seu dep. de marketing a gerar “Likes”.

  1. As pessoas gostam de histórias

Conteúdos interessantes, curiosidades inúteis mas divertidas e casos de sucesso e fracasso (os dois!) retêm a atenção. E criam uma relação entre o receptor e o emissor. Não, não tem de estar sempre a dizer “Compre já” e “Clique aqui”. Conte histórias. Divirta. E divirta-se.

  1. O email é pessoal

A comunicação personalizada é bem-vinda. Os emails devem ser apontados aos interesses e preferências do destinatário. E é preciso não esquecer que a caixa de correio é pessoal, é um espaço de privacidade. Respeite o destinatário. Segmente. Pergunte o que ele quer receber. Seja simpático. Desafie-o a pedir mais informação. Mas sempre de forma pessoal. E no quadro da etiqueta, normas e procedimentos do canal (sim, porque há).

  1. O email é o principal organizador de tarefas nas vida pessoal e empresarial

A maioria das pessoas vê o seu email todos os dias, várias vezes ao dia, e a plataforma de email está normalmente integrada com o calendário, agenda e gestor de tarefas. Se o seu receptor o considerar interessante vai facilmente integrá-lo. Se for um “chato” vai perder rapidamente este espaço. Mas achar que não vale a pena estar presente…. not a great plan.

  1. Barato

O email marketing é barato. Mesmo barato. Mais barato é quase impossível. Em termos relativos, face a outras estratégias e em termos absolutos, face à sua carteira. Com o email marketing não tem de se preocupar com compras de media como na rádio ou na TV, com custos de impressão de postais, cartazes ou folhetos… só tem de produzir conteúdos de qualidade. Sobre a sua marca, a sua empresa e as coisas que faz bem e sabe porquê.

Além disso, existem software de marketing automation que junta o email a outros serviços de automation (como CRM), como é o caso do Marketo, HubSpot e outros.

  1. Resposta imediata

O receptor de um email interessante fica imediatamente convocado a responder sem a necessidade de “botões de acção”. Sem a concorrência de outras solicitações, durante o tempo de leitura. Simplesmente porque um email interessante, uma carta bonita se quiserem, merece resposta. Porque é simplesmente, boa educação.

  1. Mede-se = Gere-se

O email é o um dos melhores canais para medir o desempenho e as métricas, para perceber se estamos a ir ao encontro dos objectivos da campanha. A taxa de entrega, taxa de abertura e taxa de cliques são algumas das métricas principais que se podem analisar no email marketing, juntamente com testes A/B, tempos de leitura, eficácia de CTA’s, etc. E se dá para medir, dá para gerir. Empodera. Permite avaliar se vale a pena. E isto é muito mais do que normalmente lhe oferecem em outros meios.

  1. Memória

O email pode ser guardado, transportado, partilhado ou até mesmo arquivado, como uma revista ou um livro. Pode ser lido e relido. Deixa uma memória para mais tarde recordar ou pode ser transformado numa tarefa para mais tarde realizar. Sem perda de qualidade. Sem custos. Ou seja, gera múltiplas oportunidades para a ter a atenção do receptor sem o tratar como um idiota com memória de peixe.

  1. Multimedia

O email marketing, como canal, permite a utilização de conteúdos escritos, imagem, video e animações como qualquer outro canal mais recente. Ou seja, tem-se mostrado tecnologicamente flexível e suporta toda a vasta gama de recursos de captação da atenção do receptor que as outras plataformas utilizam.

  1. Rastreável.

É desagradável ser abordado de forma pessoal e depois… não saber nada sobre quem nos contactou. Ou porque sabe bem saber depois quem foi o desconhecido que ofereceu flores. O email marketing permite rastrear o emissor. Responder. Recontactar. Permite partilhar detalhes de contacto por outros canais, sem a necessidade de resposta imediata. Gera confiança. Outras ferramentas mostram muito maior opacidade e por vezes é mesmo quase impossível ter um telefone de contacto para responder a uma abordagem inicial.

  1. Como eram 10…. Inovador e disruptivo

Esta agora apanhou-vos. Já na sua idade adulta, 3 décadas depois da generalização, o email pode ser inovador e disruptivo? Pode. A integração de novas tecnologias com o email está a torná-lo cada vez mais eficaz. Deixamos alguns exemplos: 1) facturas electrónicas inteligentes, interactivas e que permitem automação e acções one-clique; 2) emails que integram conteúdos com os quais se interage por toque no ecrã; 3) integração do mail com a gestão de projectos e tarefas, sem perda do mail como elemento de validação de base. Porque ninguém lhe vai enviar comunicação importante, oficial, por skype ou whatsapp para já (análises clínicas, facturas, propostas, etc.)

 

Por isso, perceba se a sua comunicação por mail está bem estruturada, bem escrita, se é interessante e se transmite o que quer dizer.

Porque ainda vamos ter email durante muito tempo. E vai ser cada vez melhor, mais funcional e mais integrado nas nossas vidas.

 

 

Decida como o quer usar de forma a beneficiar o seu negócio.

E bons negócios.

 

 

 

O Estado do Inbound 2015

Sabe o que é o Inbound marketing? É o conjunto de estratégias de atracção de clientes através de conteúdos úteis que os levam a procurar a sua empresa de livre vontade, como os websites, newsletters e outras formas de produção de conteúdos. 

Todos os anos a HubSpot entrevista milhares de marketeers e responsáveis de vendas de empresas de todo o mundo, questionando-os sobre as suas prioridades, os desafios que enfrentam e as tácticas de inbound marketing que utilizam. O resultado é publicado no relatórios State of Inbound e foi recentemente publicado o relatório de 2015.

Quase 4000 responsáveis responderam ao inquérito de 2015, em 150 países. A maior parte trabalha em negócios B2B, PME que facturam menos de 1 milhão de USD por ano.

As conclusões deste trabalho são provavelmente o documento mais importante que vai ler hoje.

De forma muito resumida, conclui-se que a verdade é que marketeers e vendedores em todo o mundo trabalham normalmente com informação de muito má qualidade, dados inúteis e relatório inadequados, o que torna difícil a transformação de informação em leads.

Raramente as estratégias de marketing estão alinhadas com os interesses dos vendedores. Por exemplo, é comum a comunicação com segmentos não trabalhados pelos vendedores ou a produção de informação inútil para as vendas ou a ineficácia das vendas em produzir informação para o marketing (recolha de dados);

Neste contexto o inbound marketing ainda é a estratégia mais comummente utilizada pelas PME, ou seja, é a resposta moderna das PME aos grandes orçamentos de publicidade das grandes empresas.

E estas foram as 7 conclusões mais importantes retiradas pela HubSpot:

  1. 3 em cada 4 marketeers prioriza o inbound em relação ao outbound. No caso das PME, mais de 85% utiliza o inbound, contra menos de 15% no caso do outbound. O principal objectivo a atingir é sempre conseguir leads e transformá-las em negócio. A maior preocupação que têm é justificar o ROI dos seus investimento e gerir o website da empresa de forma adequada.
  2. Todos os marketeers acreditam que a publicidade (na TV, revistas ou internet) é a táctica mais sobrevalorizada de marketing (e menos eficaz face ao seu preço), seguida de perto pela publicidade nas redes sociais. Mas curiosamente a maioria das empresas está mais preocupada em conseguir novas leads do que em reduzir o custo por lead.
  3. É a capacidade de calcular o ROI do marketing que permite ter orçamento para acções de marketing. Mas quase ninguém calcula o ROI das suas campanhas!
  4. O inbound marketing não oferece garantias de sucesso. Mas é muito mais fácil de gerir em termos de acções e orçamento. Na maioria das empresas é o staff interno que escreve os conteúdos, mas o outsourcing já representa mais de 35% das escolhas.
  5. Todos os sectores de actividade (todos!) e tipos de empresa (B2B, B2C, até sem fins lucrativos) dão prioridade ao inbound em relação ao outbound. E em todos os casos, quando é calculado o ROI do investimento, o retorno do inbound é quase 3x superior ao outbound.
  6. A definição de SLA entre o Marketing e as Vendas aumenta o ROI do investimento realizado. Ou seja, as campanhas funcionam melhor quando o marketing não trata delas sozinho e tem a colaboração das Vendas, no quadro de acordos bem definidos quando a responsabilidades… e orçamentos.

Na próxima semana daremos as conhecer as conclusões do relatório sobre os departamentos de vendas. Não perca!

FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE TURISMO


logoO sector do turismo tem vindo a ganhar peso na economia nacional e afirma-se hoje como uma das áreas onde as empresas nacionais são mais competitivas à escala global.

 

O ano de 2016, tal como já havia acontecido em 2015, está a ser extremamente positivo para o sector nacional do turismo.

 

  • As taxas de ocupação em quartos de hotel mantém-se elevadas e em máximos históricos;
  • O crescimento da procura tem vindo a motivar uma recuperação dos preços médios por serviço, aumento o valor gerado.
  • Está quase a ser ultrapassada a fasquia dos 50 milhões de dormidas, facto para o qual contribui a divergência para Portugal de turistas que procuravam outros destinos mediterrânicos.
  • O peso do turismo no PIB mantém-se em crescimento, mas o contributo do sector para o equilíbrio externo cresceu muito significativamente, especialmente num contexto de desaceleração (ou retracção) das exportações em outros sectores.

 

Portugal é extremamente competitivo na oferta de turismo e o crescimento do sector gera externalidades positivas em múltiplos sectores tradicionais e não tradicionais.

 

Os empresários do sector que pretendam investir em projectos inovadores de turismo têm ao seu dispôr múltiplas opções de apoio ao investimento que visam promover o crescimento de uma oferta futuristic de qualidade e reduzir o risco associado ao negócio:

 

  • Até 15 de Setembro, as empresas com projectos inovadores de criação ou expansão da sua oferta de produtos e serviços de turismo beneficiam da linha de apoio a Projectos de Execução Rápida no âmbito do PT2020. Os projectos podem ser apoiados até 60% das despesas elegíveis e devem ser terminados num prazo de 12 meses.
  • Até 30 de Setembro, o PT2020 tem abertas as linhas de apoio a projectos de Inovação Produtiva e a projectos de Empreendedorismo Qualificado, em ambos os casos, tendo o turismo como um dos sectores prioritários. As empresas devem demonstrar o carácter inovador dos seus projectos.
  • Até Dezembro de 2017, as empresas de Turismo que estão a equacionar lançar um negócio neste sector têm ainda acesso a crédito bonificado no âmbito da Linha de Apoio à Qualificação da Oferta 2016. Podem ser financiados projectos de investimento que se traduzam na criação de empreendimentos turísticos inovadores ou a requalificação de empreendimentos turísticos, assim como no desenvolvimento de projetos na área da animação turística e da restauração. Este instrumento financia um valor máximo de 75% do investimento elegível.

 

As opções existem e devem ser consideradas pelos empresários do sector no lançamento de novas iniciativas de negócio. O acesso a financiamento barato ou mesmo a fundo perdido possibilita forte redução dos riscos de negócio e uma posição competitiva favorável face a concorrentes menos atentos.

 

Precisa de mais informação? Contacte-nos!

 

Bons negócios!

INCENTIVOS À INTERNACIONALIZAÇÃO E MODERNIZAÇÃO: NOVOS CONCURSOS

compete2020Abriram finalmente os (muito) esperados concursos do PT2020 no âmbito do apoio à modernização e internacionalização de empresas.

Pretende investir em internacionalização, economia digital, marketing internacional, qualidade, distribuição ou formação e procura apoios?

 

A SELMAX ajuda!

  • Se seguir os links abaixo pode saber mais sobre os concursos actualmente abertos.
  • Se nos contactar, teremos todo o gosto em ajudá-lo a compreender como pode beneficiar destes apoios.
  • E ainda produzimos para si o guia “APOIO A INTERNACIONALIZAÇÃO/QUALIFICAÇÃO: COMO FUNCIONA?”. Contacte-nos e enviamos gratuitamente para o seu endereço de correio electrónico.

 

Os projectos podem ser apresentados até 31 de Outubro de 2016 e a taxa de financiamento pode chegar até 45%, a fundo perdido.

 

Bons negócios!

#2106portugalmaior

 

 

Aviso 18/SI/2016

Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Qualificação das PME”

Tipos de projectos:

  • Inovação organizacional e gestão
  • Economia digital e tecnologias de informação e comunicação (TIC)
  • Criação de marcas e design
  • Desenvolvimento e engenharia de produtos, serviços e processos
  • Proteção de propriedade industrial
  • Qualidade
  • Transferência de conhecimento
  • Distribuição e logística
  • Eco-inovação
  • Formação profissional

 

 

Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Internacionalização das PME”

Tipos de projectos: 

  • O conhecimento de mercados externos;
  • A presença na web, através da economia digital;
  • O desenvolvimento e promoção internacional de marcas;
  • A prospeção e presença em mercados internacionais;
  • O marketing internacional;
  • A introdução de novo método de organização nas práticas comerciais ou nas relações externas;
  • As certificações específicas para os mercados externos.

 

 

 

Peça uma cotação