Onde é que a Economia Digital avança mais depressa?

Economia Digital Mundial

 

A transição para a economia digital faz-se a diferentes ritmos e velocidades – rápida e fluída em alguns países, lenta e aos solavancos em outros. E a geografia digital mostra características próprios e diferentes da geografia global como a conhecemos. Mas, nas contas finais, onde é que a economia digital cresce mais?

A HBR agregou conjuntos de países em grupos atendendo à sua preparação e prontidão para a economia digital (medida pelo Digital Evolution Index). A intenção foi compreender quem está preparado para colher os benefícios da economia digital… e quem não está.

Algumas conclusões são surpreendentes:
– Asia e América Latina lideram o momentum, ou seja, são aqueles que mais podem ganhar de imediato com o investimento na economia digital;
– Países como a Holanda e Singapura têm o mesmo nível de avanço tecnológico, mas apresentam um momentum completamente diferente, muito mais relevante em Singapura do que na Holanda (que perdeu imensas oportunidades nos últimos 5 anos como destino atractivo de investimento na área).

Com base nos resultados foram criados 4 grupos de países:
– Stand Out: países com alto nível de desenvolvimento digital e com taxas rápidas de crescimento. Estão aqui os EUA, Singapura, os EAU e países como a Irlanda e a Suíça.
– Stall Out: países com alto nível de desenvolvimento digital mas que mostram muito pouca evolução. Neste grupo estão a maioria das economias europeias, Austrália e Japão, países com mercados digitais enormes mas sem crescimento. E em envelhecimento acelerado o que não oferece boas perspectivas em termos de penetração de novas tecnologias digitais no consumo.
– Break-Out: países com baixo nível de desenvolvimento digital mas que mostram evolução rápida e que podem tornar-se Stand-Out a médio prazo. Os exemplos mais significativos são a India, Brasil, Vietnam e Filipinas. São economias digitais pequenas mas muito jovens e com elevada penetração de novas tecnologias nas camadas jovens.
– Watch Out: países que têm desafios gigantescos a ultrapassar e não parecem interessados em investir na área. Os exemplos mais claros são a Indonesia, a Russia, Nigéria ou Egipto. Apesar das suas demografias extremamente atraentes – países populosos e mercados atraentes – não mostram desenvolvimento relevantes ao nível digital. Portugal também está neste grupo.

Nestas economias vão surgir os próximos mil milhões de consumidores digitais. Vão usar maioritariamente dispositivos móveis, vão consumir produtos de qualquer zona do mundo e poderão ser fornecidos por empresas sedeadas em qualquer um dos grupos de países que foram identificados. Mas os consumidores de cada grupo de países terão diferentes perfis e terão de ser abordados pelas empresas da economia digital de forma diferente. As empresas digitais terão de ultrapassar em muitos casos diferenças societais, etárias, culturais, infra-estruturais e mesmo reguladoras de modo a poderem prosperar no mercado.

Novas obrigações legais a partir de 23 de Março

 Novas obrigações legais dos Estabelecimentos Comerciais, que prestem serviços ou forneçam bens a consumidor final (art.º 18 da Lei n.144/2015)

law

A partir de 23 de Março todas as empresas que forneçam bens ou serviços a consumidores finais estão obrigadas a dispôr, de forma clara e vísivel, informação sobre os centros de arbitragem para resolução de conflitos.

Esses conflitos podem surgir na altura da compra de um bem ou fornecimento de um serviço e as empresas terão de apresentar as informações referentes ao centro da sua área de actividade.

Esta informação terá de estar presente no website da empresa e a não apresentação desta informação pode incorrer em contra-ordenações.

Se precisar de apoio nesta actualização de informação no seu website a Selmax pode ajudá-lo: contacte-nos.

Primeiros concursos do ano: financiamento e incentivos

compete2020Abriram os primeiros concursos do ano.
Financiamento e incentivos para projectos de inovação produtiva e empreendedorismo qualificado!
Até 31 de Março.
Aviso 02/SI/2016
Aberto Aviso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos | Empreendedorismo Qualificado e Criativo
Aviso 01/SI/2016
Aberto concurso para Apresentação de Candidaturas – Sistema de Incentivos “Inovação Produtiva”

#2016PortugalMaior

Editorial:
bulbAno novo… vontades novas!
O início de cada ano é frequentemente acompanhado pelo impulso de mudança, pelo desejo de construir sucessos sobre o que correu bem no ano anterior e corrigir os erros com os quais se espera ter aprendido algo no passado.
Durante este ano queremos ajudar a manter viva esta chama nos empresários, empreendedores e investidores em Portugal.
Periodicamente, vamos fazer-lhe chegar informação sobre negócios, projectos, oportunidades de financiamento e sobre as pessoas e as empresas que inovam Portugal. E também queremos que conheça as nossas ideias e projectos.
Empresas que dialogam e cooperam podem fazer a diferença.
Ideias inovadoras podem tornar 2016 um ano marcante e Portugal um país um pouco maior.
Maior nas inovação.
Maior na criação de valor.
Maior no mercado global e na universo digital.
Bom ano e bons negócios!
#2016portugalmaior

 

Prepare-se, garanta os recursos financeiros e transforme os seus projectos inovadores em realidade em 2016
moneyNeste primeiro trimestre de 2016, espera-se a abertura de novas oportunidade de financiamento a empresas no âmbito do PORTUGAL2020. Mantenha-se informado e acompanhe as oportunidades publicadas em http://www.poci-compete2020.pt/.
Novos investimentos, novos produtos, melhores processos, qualidade, internacionalização ou formação profissional são áreas que podem ser apoiadas e para as quais milhares de empresas nacionais já conseguiram no passado apoios significativos. Se já tem uma ideia de negócio ou produto preparada, não deixe de aproveitar os apoios disponíveis.
E acompanhe esta publicação para conhecer os concursos abertos a cada momento.
Se quiser saber mais, contacte-nos.
#2016portugalmaior

 

Já tem um projecto apoiado por fundos comunitários mas precisa de capital adicional para financiar o investimento em activos fixos e fundo de maneio?
loudOs sistemas de incentivos apoiam as empresas nacionais e são uma oportunidade única que tem de ser aproveitada. Mas nem sempre chega! Muitas empresas têm enfrentado dificuldades na obtenção de recursos complementares aos fundos públicos e comunitários.
Projectos que demonstrem ser viáveis e globalmente competitivos podem, felizmente, ter acesso a alternativas. Fundos de investimento nacionais e internacionais, sociedades de capital de risco, business angels e mesmo a banca comercial e de investimento são opções viáveis.
Mas as ideias inovadoras e os produtos com potencial de sucesso requerem sobretudo capitais próprios. E na SELMAX acreditamos que as empresas nacionais, pequenas, médias e grandes, precisam de aumentar a intensidade de capitais próprios investidos, aumentar a sua dimensão média e as suas competências disponíveis para poderem alcançar eficazmente o mercado global.
Quer saber mais? Contacte-nos.
#2016portugalmaior

 

Indique a informação que considera mais importante e assim podemos produzir melhor.

phoneQueremos, a cada número e a cada envio, melhor a qualidade da informação que produzimos. E para isso precisamos de saber quais as áreas que considera prioritárias para si e para a sua empresa.

 

Dinis Martins

Partner

Nota final: os autores desta optam pela sua redacção na ortografia antiga.

 

A Selmax tem uma nova equipa de consultoria

DM

 

A SELMAX cresceu e fez nascer uma nova equipa.

Uma equipa focada na prestação de serviços de gestão e criação de valor para o sector empresarial produtivo e para os empreendedores e organizações envolvidas no sistema científico e tecnológico nacional.
Uma equipa focada na mobilização de talentos, competências e recursos técnicos e financeiros para projectos de investimento e processos de modernização empresarial.
Uma equipa que acredita nas novas ideias e nos talentos emergentes nas universidades, nos centros de investigação, nas PME’s e nas grandes estruturas empresariais nacionais e estrangeiras. Que acredita que é preciso estimular a inovação e o empreendedorismo, apoiando a produtização, o lançamento e o marketing de novos produtos à escala global.

Criámos serviços para criar, desenvolver e apoiar o financiamento de ideias e negócios que contribuam para a construção de cadeias de valor sólidas e sustentáveis em mercados e segmentos emergentes de elevado potencial, em Portugal e no estrangeiro.

Mobilizar recursos. Assegurar financiamento. Encontrar talentos. Estimular ideias. Criar negócios.
Uma equipa de consultores. Para criar valor.

Dinis Martins

Partner

Novo projecto Selmax – CMAS-Systems

cmas-systems

A Selmax anuncia o seu mais recente projecto: o desenvolvimento de website para a CMAS-Systems, empresa focada no negócio das telecomunicações, com projectos implementados por toda a Europa e com provas dadas na qualidade dos serviços prestados: constou no relatório 2015 EMEA 500 Technology Fast Track da Deloitte, estando em 5º lugar no ranking Português.

A CMAS sentia a necessidade de modernizar a sua plataforma online de forma a adequar a sua imagem à qualidade e inovação dos serviços que presta aos seus clientes. Por isso a Selmax desenvolveu um novo website, em WordPress, adaptável a todos os dispositivos e preparado para quaisquer actividades de comunicação e de divulgação online que a CMAS pondere executar no futuro.O desenvolvimento tecnológico dos nossos dias não permite a nenhuma empresa manter-se ausente do mundo digital. A CMAS Systems, como empresa inovadora e de serviços de qualidade de destaque compreende esta necessidade. Foi com satisfação que a Selmax pôde acompanhar este projecto, fazendo a diferença nesta nova fase de apresentação do grupo CMAS.

Feliz Ano Novo! E novas surpresas para breve…

 

fogodeartificio

É com espírito de entusiasmo e com vontade de novos projectos que a Selmax inicia o novo ano de 2016. Muitas surpresas se avizinham e a Selmax tem muitas novidades que espera partilhar em breve com os seus clientes.

Porque é o principal objectivo da Selmax apoiar a expansão e desenvolvimento das empresas com as quais trabalha e por isso estamos continuamente a desenvolver novos serviços e a estudar novas soluções adequadas às mudanças repentinas que assistimos continuamente nos dias de hoje.

Como tem vindo a ser habitual, continuamos a apostar na presença web dos nossos clientes. No entanto, para se manter um nível ideal de competitividade é necessário dinamizar o trabalho feito. Já tem um website? Não chega: a competição é feroz no mundo digital e os seus concorrentes desafiam todos os dias a nossa imaginação com novas técnicas de expansão comercial:

  • tem a informação do seu site actualizada com os seus últimos produtos e serviços?
  • o seu website é compatível com smartphones?
  • já comunica com os seus clientes nas redes sociais e por email ou newsletter?
  • utiliza o AdWords e todas as vantagens que permite em matéria de pesquisas no Google?
  • considera que a sua imagem e comunicação, no geral, poderia ser modernizada?

Estas e outras questões já lhe deverão ter surgido. Porque não nos manda um email? Podemos fazer uma análise da sua situação com um orçamento para melhor estruturar a sua estratégia de 2016.

Muito se pode ainda fazer pela presença digital dos nossos clientes. Mas, como dissemos no ínicio, novidades estão para breve e a Selmax vai passar para além da web.

Esteja atento.

Novo projecto Selmax – Intelac

intelacA Selmax anuncia o seu mais recente projecto: o desenvolvimento de website para a Intelac, grupo especializado em Consultoria e Gestão de Recursos Humanos. Presente no mercado desde 1998, a Intelac implementa soluções nas áreas de Outsourcing, Consultoria, Recrutamento e Seleção, Trabalho Temporário e Formação.

Consoante a necessidade de modernização da imagem online do grupo a Selmax desenvolveu o novo website para Intelac em WordPress, de forma a apresentar a vasta oferta de serviços do grupo. Para além do website, a Selmax também modernizou o logotipo e presta serviços de apoio e suporte em Google AdWords e Marketing Analytics.

Qualquer empresa que se quer como player estratégico  na sua área de negócio sabe que a presença digital é essencial para a imagem da empresa e para divulgação dos seus produtos e serviços junto dos seus clientes. A Intelac sabe isso e é com muito gosto que a Selmax pode desenvolver este projecto e apoiar esta fase de expansão do grupo.

Marketing Analytics: sim, é rentável.

“Marketing analytics is becoming big business”.

As análises avançadas de mercado e de Big Data desenvolveram nos últimos anos novas formas de melhorar a precisão e a eficácia das tradicionais ferramentas e técnicas de marketing.

As empresas de grande dimensão gastam, actualmente, em média 6% dos seus orçamentos de marketing em análise de dados e planeiam alocar a esta tarefas cada vez mais recursos.

Mas será que as ferramentas de marketing analytics pagam o investimento que lhes é dedicado? É assim tão importante encontrar as correlações e as tendências dentro de grandes aglomerados de informação sobre vendas e hábitos de consumo? Ou melhor: estas ferramentas melhoras os lucros?

Num estudo recente, a Harvard Business Review utilizou uma medida de avaliação do real impacto das ferramentas de marketing analytics e de como as empresas as utilizam. Foi avaliada a forma como são usadas em 11 tarefas chave do marketing e testado o impacto destas ferramentas no ROI do marketing e nos lucros das empresas estudadas.

Os resultados foram encorajadores. A utilização de marketing analytics numa dada área (entre as 11) significou, em média, um aumento de 0,39% nos lucros. O que significa que a utilização acumuladas em várias áreas poderia potenciar os lucros em mais de 4%.

O mesmo estudo provou ainda que o uso de marketing analytics permitiu incrementar o retorno de investimento em marketing, quer em áreas B2B como em áreas B2C.

Na tabela abaixo resume-se a utilização de ferramentas de marketing analytics por área, nas empresas estudadas. E é possível ver, que mesmo ao nivel de grandes companhias, há muito trabalho a fazer!

Marketing analytics

E então? Qual o melhor caminho a seguir para aumentar o impacto do investimento em marketing?

A HBR sugere:

  • Melhorar a comunicação entre quem produz informação e quem toma decisões. Muitas organizações produzam informação útil … e os gestores ignoram-na ou nem sabem que existe.
  • Melhorar a forma como se colhe, produz e interpreta informação. Muitas empresas recolhem muitos dados sobre as suas vendas, clientes, hábitos de compra, etc. mas não possuem profissionais capazes de as traduzir em informação para decisão. Quer se contratem especialistas ou empresas em regime de outsourcing esta é uma tarefa especialziada.
  • Investir nas áreas onde se sabe medir o impacto. Se uma acção de marketing tem um objectivo deve ser controlado e analisado esse objectivo e não toda a acção do marketign como um todo. Uma campanha, uma promoção ou uma acção de cross-selling são iniciativas que devem ser analisadas isoladamente e, se a empresa conseguir perceber a forma como pode capitalizar os resultados dessa análise, só depois deve estender a experiência a outras áreas.

Este caminho é o que diferencia as empresas que investem em markeing analytics, das que apenas criaram uma nova despesa… não produtiva.

Dinis Marins
Management and Economics Advisor

Responsiveness: porque é que é importante? Por isto…

Unstoppable smartphones

O planeta Terra bem pode ser apelidado de planeta dos telemóveis.

Já existem mais de 2 mil milhões de telemóveis e o seu número deve duplicar nos próximos 5 anos. Em 2020, 80% dos adultos terão um aparelho de comunicações móveis na sua posse, um aparelho que terá, provavelmente, a mesma capacidade de processamento de um computador topo de gama de há 2 ou 3 anos.

Actualmente já passamos uma parte muito significativa da nossa vida ao telemóvel. No total, de acordo com a Ofcom, o regulador britânico de telecomunicações, a população entre os 16 e so 24 anos passa quase 4 horas por dia ao telemóvel – não a telefonar, mas a socializar, a jogar, a ver conteúdo multimedia. Uma tendência jovem? Não. A população entre os 55-64 anos contabiliza em média quase 2 horas por dia… a fazer o mesmo.

Os telemóveis tornaram-se potentes. E baratos. Recentemente o número de smartphone vendidos anualmente ultrapassou o número de telemóveis tradicionais. Isto significa maior capacidade de ver conteúdos online, uso mais frequente das redes sociais e sobretudo, integração da vida “real” com o online.

Em 2020, a quase totalidade das pessoas assumirá que “ir a internet” ou “ver um email” são coisas que se fazem num aparelho móvel e não num computador de secretária. Assim como hoje já tiram mais fotografias com o telemóvel do que com máquinas fotográficas.

A esta realidade começam a ser adicionados os serviços de conveniência. A marcação de reservas online, a banca online, as coisas simples e pessoas desde o envio de um abraço por facebook até à regulação de um ar condicionado, fazem-se hoje maioritariamente através do telemóvel.

Cada pessoa online é um consumidor de conteúdos, mas também de produtos e serviços que vai encontrar onde estiver em cada momento.

Assim como era importante ter uma loja e um escritório para receber clientes, passou a ser importante ter um site. E mais tarde, uma página nas redes sociais. E agora, uma página ou loja capazes de serem visitadas no telemóvel, por cada consumidor, no local onde passa mais tempo na sua vida. E que ele possa descobrir facilmente no seu telemóvel.

Quando os consumidores usam aparelhos móveis para aceder a internet, mudam a sua experiência de utilização. Visitam menos páginas, mas usam muito mais apps. Fazem compras através das apps e não através de anúncios. Usam mais as redes sociais e muito menos os browsers tradicionais.

Empresas inteligentes adaptam-se. Os bancos foram dos primeiros a perceber a tendência. Hoje desfrutam da realidade que adivinharam. O mesmo se passou com empresas como a Amazon. Mesmo gigantes mundiais como a Google e a Microsoft passaram a desenvolver os seus produtos de modo a priorizar o mundo online móvel, comprando inclusivé empresas mundiais do ramo.

Mas todos os negócios têm de responder aos seus consumidores. Desde a Google até à florista do seu bairro. E se a florista do seu bairro aparecer com um anuncio no seu facebook enquanto espera numa mesa de café…. ela será aquela que se adaptou ao mercado e o poderá explorar no futuro.

 

Dinis Marins
Management and Economics Advisor

Peça uma cotação